Diário de gravidez: é chegada a hora… Bem-vinda Lupita!!!

Quem acompanha o perfil do Hasta la Ju no Instagram e no Facebook sabe que a minha bebê nasceu!!! A Lupita veio ao mundo no dia 06 de maio de 2016, às 0h09, com 3,180 kg e 47 cm. Há duas semanas eu tento escrever um diário de gravidez para compartilhar a minha experiência de parto e os primeiros dias após ele, mas com uma recém nascida em casa ficou difícil chegar até o meu notebook…

Nesses 14 primeiros dias entre fraldas recheadas, mamadas e mais mamadas, dores para me movimentar e noites mais ou menos dormidas, deu para perceber que junto com a Lupita nasceu uma família e que nossa vida nunca mais será a mesma, pois a bebê trouxe ainda mais amor, companheirismo e responsabilidades.

32WEEKe

Nas escolas onde trabalho dei entrada na licença maternidade na segunda-feira (2 de maio), pois já estava com 39 semanas + 4 dias e bastante dificuldade de caminhar. Mesmo perto da data provável de parto, eu sentia medo de sair de licença e a bebê demorar mais algumas semanas para nascer.

Na passagem de quarta para quinta-feira (4 e 5 de maio) comecei a sentir contrações. Quase não dormi apesar de elas não serem ritmadas, pois sentia um desconforto parecido com cólicas menstruais que iam e vinham com força. No começo da tarde do dia 5 fui até o consultório do obstetra que fez meu acompanhamento pré-natal e vimos que a bebê estava bem. O médico disse que era importante eu começar a cronometrar as minhas contrações, pois caso elas ficassem mais intensas e com intervalos menores seria a hora de procurar a maternidade.

No caminho para casa (que leva em média 15 minutos) tive 3 contrações monstras, então ao chegar em casa peguei o cronometro do celular, uma caneta e uma folha para anotar o horário e a duração do que era uma cólica bem forte que me deixava sem chão.

No final da tarde, lá pelas 18h30 – 19h00, eu pedi para o Douglas me levar até o hospital porque estava na hora. Pegamos nossas cangalhas, colocamos no fusca do meu sogro e #PartiuHospital. As contrações estavam durando cerca de 1 minuto e meio e vinham com intervalos entre 5 e 2 minutos, mas apesar da dor eu estava feliz que teria minha filha em breve.

32WEEKh

Ao chegar na maternidade eu disse que queria ter um parto natural e a equipe de enfermagem me acolheu muito bem. Fizemos os primeiros exames para monitorar a Lupita e nesse momento eu estava com 3 para 4 cm de dilatação, mas com muito tampão mucoso. Eu e o Douglas ficamos em um quarto onde tomei um banho quente em cima de uma bola, até que o tampão mucoso saiu (parece um catarro, rs). Depois de um tempo no banho eu me senti cansada e quis deitar, foi então que minha bolsa rompeu e descobrimos que havia mecônio (o 1º côco feito pelo bebê) misturado no líquido que vazou. A presença do mecônio é um risco quando o bebê aspira esse material, mas eu tinha informações de que a simples presença dele não seria um motivo para cesariana, então resolvi continuar esperando a minha dilatação aumentar… Por volta das 21h, passei pelo plantonista (por ironia do destino o obstetra que fui assim que descobri que estava grávida, mas achei ele muito “secão” e nunca mais voltei) e ele, ao fazer o toque, disse que eu não tive dilatação desde a hora que dei entrada no hospital e que pela presença do mecônio ele indicava uma cesariana para não por em risco a bebê.

Sai desse encontro chamando ele de “médico cesariento” e determinada a continuar tentando o parto natural, pois as contrações estavam brutas, ia dar certo! O Douglas e as enfermeiras estavam me ajudando muito com palavras de apoio e massagens na lombar.

Eu estava melecando todo o quarto com o liquido cocozento que não parava de vazar, então chegou a hora do terceiro toque. Para minha frustração a dilatação não tinha evoluído nadinha de nada. Eu estava no hospital há 3 horas e até aí minha decisão se mantinha firme em continuar tentando o parto natural, mas ao monitorar o coração da Lupita, os batimentos cardíacos dela estavam muito acelerados (taquicardia) e a enfermeira, que estava me dando o maior apoio sobre minha preferencia de parto, disse que ela poderia estar em sofrimento.

Comecei a questionar se eu não estava sendo egoísta ao insistir em um tipo de parto que parecia não querer acontecer tão naturalmente quanto deveria e fui me conformando com a possibilidade de uma cesariana… eu falava em voz alta “pelo menos foi ela que decidiu a hora certa, a arteira fez até côco…”

Por volta das 23h, depois de pensar bastante, eu decidi que faria uma cesariana! Me senti irritada com essa decisão. A dor (que eu estava encarando de boa) ficou insuportável, pois era como se tivesse sido em vão. A essa altura eu só queria que a Lupita estivesse em segurança.

Após uma espera de 45 minutos, nos prepararam para cirurgia, me deram a anestesia e o Douglas ficou pertinho de mim. Em poucos minutos começaram um puxa empurra na minha buchada que resultou em um choro de recém nascido e vários comentários de “nossa, quanto mecônio! Essa menina estava correndo um grande risco!”, “Meu Deus, tadinha, ela estava sofrendo”, tendo ainda que escutar “se você insistisse mais alguns minutos em um parto normal sua bebê teria aspirado isso tudo e ficaria, pelo menos, 15 dias na UTI”. Tá, beleza, eu já entendi que a galera estava querendo que eu me sentisse culpada por ter demorado para optar pela cesariana, mas cadê minha filha? Foi então que o pediatra trouxe ela para eu olhar, cheirar e beijar. Não pude pegar no colo porque estava toda zuada, mas eita coisa boa ver que estava tudo bem com ela.

primeira foto

Depois de duas longas horas esperando o efeito da anestesia diminuir, fui levada para o quarto. A Lupita chegou logo em seguida, toda banhada, vestida, com laço no cabelo e uma vontade insaciável de mamar. Ela pegou certinho no meu peito, mas mesmo assim fiquei com o bico machucado. Eu e o Douglas estávamos euforicos, quase não conseguimos dormir de tão gostoso que era admirar nossa filha, mas quando o efeito da anestesia passou eu pude perceber que os próximos dias seriam complicados, pois aquele corte da cesariana estava doendo muito.

Minha mãe chegou na manhã de sexta-feira para passar os primeiros dias me dando uma força e curtindo a netinha. Meus sogros e cunhados foram nos visitar assim que puderam. Eu não levei guirlanda, lembrancinha ou qualquer tipo de enfeite para a maternidade. Sou dessas, rs.

Primeiros momentos da Lupita

A promessa era que receberíamos alta na manhã de domingo, mas a Lupita estava com suspeita de infecção e precisou repetir os exames de sangue, então só fomos liberados de tarde.

Pedi que, por precaução, me dessem a receita de um antibiótico, pois várias conhecidas tiveram inflamações graves no pós operatório da cesária, mas não tive sucesso. Seis dias após a cirurgia tive que voltar ao hospital com os pontos inflamados, cheia de dores, para só então começar a tomar o antibiótico.

A amamentação tem sido tranquila. Consegui recuperar meus bicos rapidinho usando concha de amamentação e passando vitamina E no intervalo das mamadas, porém eu ainda sinto dor no local da cirurgia quanto fico muito tempo sentada ou na hora de deitar/levantar. A Lupita teve algumas crises de cólica na madrugada, então parei de tomar leite e comer alguns alimentos que poderiam piorar a situação.

Minha mãe tem me ajudado muito nas tarefas da casa, na verdade o período de adaptação só está sendo tranquilo porque ela e o Douglas me poupam de cozinhar, limpar a casa e lavar a roupa. Queria ver se eu não tivesse essa ajuda… já teria surtado, rs.

Eu não consigo entender quem inventou que a cesariana não dói. Hoje fui tirar os pontos e tá aí outra coisa que dói pra caramba. Para o meu azar a linha estourou e tive que continuar com metade da costura até fazer o retorno com o meu obstetra e ver se será necessário uma mini cirurgia para retirada dos benditos. Posso com isso? O tal plantonista deve ter achado que estava amarrando um espartilho do séc. XIX. Que raiva!!!

Assim que eu tiver um tempinho volto, com o primeiro diário de maternidade, para contar como é ter uma recém nascida em casa. Combinado?!

Grande beijo!

Hasta la Ju nas redes sociais:

♥ Facebook | Instagram | Youtube ♥

>

1 Comment on Diário de gravidez: é chegada a hora… Bem-vinda Lupita!!!

  1. Ariadne
    23/05/2016 at 16:02 (1 ano ago)

    Ju,que bom que voltou pro blog,já estava com saudades,e olha que agora são duas pra matar as saudades! Ju,que sufoco,e que pressão psicológica que vc deve ter enfrentado nesses minutos de decisão,mais acho que nada é por acaso e a Lupita que escolheu como vir ao mundo,eu sempre tive medo de parto normal,deve ser trauma pois nasci de normal e minha mãezinha sofreu,o natural eu acho muito bonito e um ato de coragem,mais a criança e o corpo que mandam.Espero que vc se recupere logo, e possa curtir mais a vontade a nova vida a 3…Repouso heinn! rss Ahh e eu já disse que a Lupita é linda? vcs estão de parabéns!
    Beijos <3

    Responder

Leave a Reply